Calma, está tudo ok com o Pix!
Saiba como funciona

A revolução tecnológica é uma realidade e muitas novidades devem chegar aos mercados nos próximos meses. Uma delas atinge diretamente as transações bancárias. Você já deve ter ouvido falar do Pix, um novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC) que começará a operar no Brasil em novembro deste ano. Apesar de ser novidade aqui, esse tipo de sistema de pagamento é comum em países como China e Austrália. Nos EUA, por exemplo, somente em 2018, foram realizados mais de 80 milhões de pagamentos instantâneos com o uso das chaves digitais.

O sistema está em fase de cadastramento de pessoas físicas e jurídicas (empresas), que poderão registrar as chaves digitais de endereçamento para enviar ou receber dinheiro e fazer pagamentos em 644 instituições financeiras. Com as chaves fica mais prático identificar o recebedor, sem a necessidade de informar dados como número da instituição, agência e conta para fazer uma transferência. O Pix impacta principalmente os serviços de transferência como DOC e TED e possibilita a diminuição dos pagamentos feitos por cartão de débito.

O Pix está em fase de testes até o dia 16 de novembro, quando entrará em vigor. Será gratuito para pessoas físicas, que poderão enviar e receber transferências e realizar compras. Pessoas jurídicas poderão ser tarifadas.

Para realizar o cadastro da chave Pix, é necessário acessar o aplicativo da instituição financeira onde tem conta. As informações ficarão em uma plataforma tecnológica desenvolvida e operada pelo BC, chamada Diretório Identificador de Contas Transacionais (DICT). Com o cadastro, bastará informar a chave e receber uma transferência. Ao digitar a chave, os dados da conta do destinatário aparecerão automaticamente. Para cada banco, será necessário vincular uma chave diferente.

Por que o Pix é uma revolução?

O Pix é revolucionário porque estará disponível 24 horas por dia, sete dias por semana e permitirá que seja realizada a transferência de valores em tempo real entre pessoas físicas, jurídicas ou órgãos públicos. O valor transferido seja diretamente ao beneficiado em qualquer dia ou horário, o que é bem diferente do que acontece hoje, em especial com os TEDs e DOCs. A transação financeira aconteceria em menos de 10 segundos, aliviando muitos custos e aumentando a qualidade do processo.

Quais transações serão atingidas pelo Pix?

• Entre pessoas físicas
• Entre pessoas e empresas, incluindo o comércio eletrônico.
• Entre empresas diferentes.
• Para órgãos do governo: de uma pessoa física para o órgão ou de uma empresa para o governo.
• Pagamentos de salários e benefícios sociais feitos pelo governo para pessoa física.
• Pagamento de convênios ou outros serviços feitos pelo governo para uma empresa.

Como vai funcionar?

O usuário terá uma conta com um prestador de serviço de pagamento, seja um banco ou uma instituição de pagamento e poderá efetuar o pagamento ao inserir os dados do recebedor manualmente ou ao inserir uma chave (e-mail, número do celular ou CPF/CNPJ) que vai identificar o recebedor. O sistema identificará para onde o dinheiro será direcionado. Cada chave pode ser referente a uma conta.

Outra forma de identificar o recebedor será por QR Code, que deverá ser gerado por quem recebe a cobrança para reconhecimento da transação. O QR Code pode ser utilizado para indicar os dados do pagador também, bastando gerar um código e apresentar ao recebedor antes de realizar o pagamento. O código poderá ser gerado offline.

Tudo ficará registrado eletronicamente

Uma das grandes vantagens do Pix será a facilidade no controle do fluxo de caixa e gerenciamento de tributos, já que para as empresas e órgãos públicos tudo será registrado eletronicamente. Ao contrário do que muitos pensam, não facilitará a corrupção ou lavagem de dinheiro, mas oferecerá melhor fiscalização e controle.

A modalidade oferece segurança para pagadores e recebedores, deixando em maior evidência as fraudes. Mesmo assim é importante seguir algumas dicas: faça o pré-cadastramento somente pelos canais oficiais da sua instituição bancária; lembre-se de que as empresas nunca pedem senhas; clique no link para mudança de senhas apenas se foi você que solicitou; fique atento a pedidos para instalar programas ou arquivos anexos e, se achar que seus dados foram expostos, cancele o cartão imediatamente e bloqueie suas contas. Tomando os devidos cuidados, você poderá aproveitar o Pix com tranquilidade.